Sangramento Nasal – Epistaxe

A epistaxe (sangramento nasal) tem diversas causas. Mais freqüentemente, o sangue provém da área de Kiesselbach, localizada na parte anterior do septo nasal e que contém muitos vasos sangüíneos.

Habitualmente, a epistaxe pode ser controlada com a compressão de ambos os lados do nariz durante 5 a 10 minutos. Quando esta técnica não consegue interromper o sangramento, o médico busca a sua origem. A epistaxe pode ser interrompida tempo rariamente com a aplicação de pressão no interior do nariz com um chumaço de algodão embebido com um medicamento que provoca a constrição dos vasos (p.ex., fenilefrina) e um anestésico local (p.ex., lidocaína).

Após a epistaxe ser interrompida e enquanto o local está anestesiado, o médico sela (cauteriza) a fonte do sangramento com nitrato de prata ou com um eletrocautério (um aparelho que utiliza corrente elétrica para produzir calor).

Quando o indivíduo apresenta um distúrbio que causa tendência ao sangramento, a fonte do sangramento não é cauterizada porque ela pode voltar a sangrar. Em vez disso, o médico realiza uma pressão suave com gaze embebida em vaselina contra a fonte do sangramento. Após o sangramento cessar, ele tenta identificar e corrigir o distúrbio.

Nos indivíduos que apresentam arteriosclerose (estreitamento das artérias) e hipertensão arterial, é provável que a fonte do sangramento esteja localizada na parte posterior do nariz, onde o sangramento é mais difícil de ser interrompido.

Algumas vezes, o médico deve ligar a artéria que fornece sangue à área ou realizar um tamponamento posterior da cavidade nasal com gaze. Comumente, o tampão é mantido no local por 4 dias e um antibiótico oral (p.ex., ampicilina) é administrado para evitar uma infecção dos seios da face ou do ouvido médio.

Os indivíduos com telangiectasia hemorrágica hereditária (uma doença caracterizada por malformação dos vasos sangüíneos) podem apresentar muitas epistaxes graves, acarretando uma anemia grave e persistente que não é facilmente corrigida com a suplementação de ferro. Um enxerto de pele sobre o septo nasal reduz a quantidade de epistaxes de modo que a anemia possa ser corrigida.

Os indivíduos com doenças hepáticas graves, as quais podem causar uma tendência ao sangramento, freqüentemente apresentam epistaxes graves.

Grandes quantidades de sangue podem ser deglutidas e o sangue é convertido em amônia pelas bactérias no intestino. A amônia pode ser absorvidaabsorvida pela corrente sangüínea e tornar o indivíduo doente ou comatoso. Por essa razão, enemas e catárticos são prescritos o mais precocemente possível para remover o sangue do intestino o mais rapidamente possível. Além disso, uma antibiótico (p.ex., neomicina) é administrado para evitar a conversão do sangue em amônia. Quando ocorre uma grande perda sangüínea, a transfusão de sangue pode ser realizada.

Causas de Epistaxe (Sangramento Nasal)

  • Infecções localizadas
  • Vestibulite
  • Sinusite
  • Membrana mucosa nasal seca Lesão
  • Lesões repetidas produzidas pela limpeza do nariz
  • Fratura do nariz
  • Estreitamento das artérias (arteriosclerose)
  • Hipertensão arterial
  • Distúrbios que provocam tendência ao sangramento
  • Anemia aplástica
  • Leucemia
  • Baixa contagem de plaquetas (trombocitopenia)
  • Doenças do fígado
  • Distúrbios sangüíneos hereditários (p.ex.,hemofilia)
  • Telangiectasia hemorrágica hereditária